Metodologias de ensino (ou, melhor, de aprendizagem): ontem e hoje

Aprendizagem Baseada em Projetos, Ensino Híbrido ou Design Thinking, entre outras. Há alguma semelhança entre as propostas atuais e as já conhecidas dos séculos passados? Certamente.

As propostas e objetivos das novas metodologias de ensino/aprendizagem têm ligações ou semelhanças com as do passado? Em 1932, Anísio Teixeira, Lourenço Filho e Fernando de Azevedo foram líderes e signatários de um manifesto – o  “Pioneiros da Educação”, criticado pela ingenuidade e aclamado pela inovação – que propunha mudanças na educação brasileira.

Essas propostas, no que tange ao viés pedagógico do documento, tinham vinculações com a Escola Nova – movimento do final do século 19 adentrando o século 20 – que, entre outros itens, se baseava no aluno como centro da aprendizagem; em trabalhos manuais; experimentações e em um aprendizado mais significativo.

Seguindo nessa linha, uma análise das correntes pedagógicas do final do século 19 e do século 20 revela muitas semelhanças em relação a algumas propostas pedagógicas inovadoras da atualidade.

Então, vejamos: para o bielorrusso Lev Vygotsky, por exemplo, a interação social – com a conhecida zona de desenvolvimento proximal – era um caminho a ser traçado na educação, ou seja, o aprender com o outro era fundamental, pois ninguém aprende sozinho – “ninguém é uma ilha”.

Paulo Freire se notabilizou pela aprendizagem significativa, trabalhando com o que o indivíduo já sabia e vivia em seu cotidiano, ou seja, do que experimentou em sua realidade, não sendo “uma folha em branco a ser preenchida”.

Ausubel, psicólogo estadunidense, também desenvolveu teoria baseada na aprendizagem significativa, partindo do que o aluno já sabia.

Torna-se interessante, então, nessa perspectiva, investigar e analisar o que está se propondo, hoje, para a melhoria da educação em relação às novas metodologias. Quais são as principais propostas em pauta?

Um aprendizado baseado no aluno; o “aprender” mais do que “o ensinar”; uma aprendizagem mais colaborativa; uma abordagem mais significativa que tenha mais contato e ligação com o mundo real; mais experimentações em projetos e outros mais.

Metodologias como Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP, ou, PBL em inglês), Ensino Híbrido ou Design Thinking, entre outras, têm como objetivo desenvolver nos alunos algumas das competências e habilidades citadas no parágrafo anterior e tidas como fundamentais para o século 21.

Percebe-se alguma semelhança entre as propostas atuais e as já conhecidas dos séculos passados? Certamente. Então, atualmente, o que se desenha é uma retomada de pressupostos já estudados e bem definidos no passado, com – em boa parte dos casos – as tecnologias da informação e comunicação atuando como mediadoras e facilitadoras do processo, além das adequações de alguns itens ao nosso momento.

Esses são pontos importantes a serem considerados: o momento e a adequação. Assim como à época do manifesto dos “Pioneiros da Educação” – embora nesse documento houvesse, além do viés pedagógico, o político e o ideológico –, necessitamos de um sistema de ensino e de metodologias que preparem o aluno para a sociedade contemporânea, da informação, do conhecimento e que vive em rede. Além disso, que prepare para um mercado de trabalho em constante transformação, que precisa de pessoas colaborativas, proativas, criativas, com capacidade de resolver problemas inéditos e sem um “manual de instrução”.

Ou seja, embora possa haver algum ineditismo na aplicação das novas metodologias de ensino, suas propostas e objetivos são semelhantes ao que já se discutiu e se propôs no passado.

Uma leitura atenta dos três trechos a seguir, extraídos do manifesto dos pioneiros da educação, dará uma boa noção dessa semelhança.

“O que distingue da escola tradicional a escola nova, não é, de fato, a predominância dos trabalhos de base manual e corporal, mas a presença, em todas as suas atividades, do fator psicobiológico do interesse, que é a primeira condição de uma atividade espontânea e o estímulo constante ao educando (criança, adolescente ou jovem) a buscar todos os recursos ao seu alcance, graças à força de atração das necessidades profundamente sentidas”.

“A escola deve utilizar todos os recursos formidáveis, como a imprensa, o disco, o cinema e o rádio.”

“Mas, o exame, num longo olhar para o passado, da evolução da educação através das diferentes civilizações, nos ensina que o “conteúdo real desse ideal” variou sempre de acordo com a estrutura e as tendências sociais da época, extraindo a sua vitalidade, como a sua força inspiradora, da própria natureza da realidade social.”

Nesses trechos, pode-se perceber, ao menos, três itens comuns ao que se propõe hoje:

. Interesse do aluno nas tarefas que vai realizar
. Utilização dos recursos tecnológicos disponíveis
. A ligação da educação com a sociedade do seu tempo

E como estamos aplicando tudo isso em nosso país? Algumas escolas públicas e particulares estão inovando nessa linha. Mas essas iniciativas ainda são muito incipientes, pontuais e, em alguns casos, inconstantes.

Estamos em um momento de transição e há um claro descompasso entre a escola, o mundo corporativo e a sociedade. O que tem travado muito essa evolução, entre outros fatores, é o nosso paradigma baseado em avaliações, principalmente para a entrada no ensino superior, o que tem engessado e impedido novas iniciativas mais conectadas com o nosso tempo por parte das escolas, que têm optado por uma metodologia mais pragmática e tradicional.

O artigo original escrito pelo Prof. Carlos Sanches encontra-se nesse link do site A Rede Educa.

Equipe TecnologiaEducaBrasil

4 comentários Adicione o seu

  1. José Pacheco disse:

    Todos os autores citados propunham que se centrasse no aluno o processo de aprendizagem. Porquê, então, falar de “metodologias de ensino”? Continuaremos a recomendar (no discurso) o centro no sujeito de aprendizagem e a praticar ensinagem centrada no… professor? Não será esta uma manifestação de pedagógica esquizofrenia?

    Curtir

    1. Olá prof. José Pacheco. É sempre uma honra contar com seus comentários. Obrigado por sua contribuição a este debate.

      De fato, creio que Metodologias de Aprendizagem – e o que isso significa, ou seja, não sendo, apenas, uma mudança de palavras -, talvez, fosse um termo mais adequado de acordo com o que estamos discutindo nesse artigo.

      Um abraço

      Curtir

      1. José Pacheco disse:

        Obrigado. Dá-lhe, então, a designação devida. E apaga do discurso a expressão “sala de aula”. A Escola Nova o exige… há mais e um século! Abraço!

        Curtir

  2. Olá prof. José Pacheco.

    Embora eu concorde com o termo Metodologias de Aprendizagem, muitos, ainda, utilizam o termo Metodologias de Ensino, concordemos ou não. Então, creio que, para que todos se situem/posicionem na discussão, optei por manter o clássico “ensino-aprendizagem”.

    Quanto ao termo “sala de aula”, ele não foi escrito nesse artigo.

    Novamente, obrigado pela sua, sempre importante, contribuição.

    Um abraço

    Curtir

Deixe uma resposta para CARLOS SANCHES Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s